Entrevistas Paulo Bastos - Mestrado

Entrevista – Pedro Gonçalves – 25/04/2018

NOME: Pedro Gonçalves

MORADA: Lisboa

NATURALIDADE: Funchal

 

Que modelo(s) de cavaquinho toca/estuda? que afinações?

Braguinha. Ré-Si-Sol-Ré

 

Há quanto tempo toca/estuda o cavaquinho? Como é que tudo começou? (pequena biografia no que diz respeito/orientada ao cavaquinho)

Estudo braguinha há cerca de 15 anos. Comecei a estudar no antigo Gabinete Coordenador de Educação Artística, atual Direção de Serviços de Educação Artística e Multimédia. A minha mãe trabalhava na secretaria da instituição, onde eu passava o meu tempo livre. Gostava de observar e participar nos ensaios do grupo “Si que Brade”, onde eram utilizados os cordofones tradicionais madeirenses como o braguinha, o rajão e a viola de arame. Na altura, como era considerado demasiado novo para aprender um instrumento de cordas, por vezes, acompanhava o grupo com um brinquinho. Aos 6 anos comecei a aprender violino e poucos meses depois braguinha com o professor Roberto Moniz, pessoa que sempre me acompanhou desde então e despertou o meu interesse pela composição para este instrumento. Estive no Gabinete Coordenador até aos 11 anos, passando, posteriormente, para a Associação Musical e Cultural Xarabanda, onde continuei o meu estudo neste instrumento com o mesmo professor. Ainda com 11 anos de idade, continuei a aprender violino no Conservatório da Madeira e uns anos depois rajão e viola de arame com o professor Vítor Sardinha. Os dois tutores que referi, juntamente com a minha família, foram quem me incentivaram a seguir para o ensino superior na área da música. Licenciei-me em Música na Comunidade na Escola Superior de Educação e na Escola Superior de Música da Lisboa e estou, atualmente, a terminar o Mestrado em Ensino de Educação Musical no Ensino Básico na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

 

O que o fascina no cavaquinho português particularmente? O que o faz apreciar e escolher o instrumento como objeto de estudo ou para se exprimir artisticamente?

Fascina-me ser um instrumento de pequenas dimensões e com tanto potencial musical. O braguinha, sendo um instrumento com uma altura do som relativamente aguda, tem um timbre doce e pouco áspero, que permite realizar belas melodias com uma sonoridade que considero muito agradável. Porém, consegue ainda acompanhar com acordes, sendo, simultaneamente, um instrumento melódico e harmónico. Eu acredito que o braguinha, por ser um instrumento de pequenas dimensões, e tendo a possibilidade de realizar melodias e acordes, é um instrumento ótimo para as crianças aprenderem, devendo ser, por isso, um instrumento mais promovido nas escolas. Para isso, o seu repertório deve ser, também, desenvolvido, existindo peças instrumentais para os graus mais básicos e avançados, tendo por isso, escrito o livro “As Músicas do Meu Braguinha” – 20 peças progressivas para braguinha ou machete.

 

Quais as suas referências e influenças musicais mais importantes na abordagem ao cavaquinho? E qual a sua importância?

As minhas referências importantes na abordagem ao braguinha, no que conta à interpretação, no ramo erudito, são as obras musicais criadas por Cândido Drumond de Vasconcelos. Na música tradicional, admiro a improvisação no estilo de bailinho realizado pelos grupos de folclore. Tenho grupos de referência que utilizam os instrumentos tradicionais (incluindo o braguinha), como o Xarabanda, Encontros da Eiras e Banda d’Além, o Si que Brade, o Grupo de Folclore Monteverde e ainda os Emperium. Além disso, existem ainda outros compositores atuais que considero de referência, como o Roberto Moniz, Paulo Esteireiro e o Roberto Moritz.

 

Que outros instrumentistas/tocadores solistas de cavaquinho conhece que considera relevantes?

(Entenda-se como solista o instrumentista SOLISTA que faz um concerto do inicio ao fim em que o Cavaquinho é o ponto central/solista ou o instrumentista que tenha editado/gravado um ou mais CDs em que o cavaquinho é o ponto central/solista em todas as músicas ou quase na totalidade delas (quando se refere ponto central/solista pretende-se dizer instrumento que toca a solo sozinho ou que tocando em grupo faz a parte mais relevante e importante da música, ou seja o que tipicamente se chama a melodia/parte principal).

Roberto Moniz, Roberto Moritz, Paulo Esteireiro, Vitor Filipe, Guilherme Órfão e Mário André Rosado.

 

Que associações culturais ou outras que conhece ligadas à música onde o cavaquinho seja um interveniente de alguma forma? Quais?

Associação Musical e Cultural Xarabanda, Conservatório Escola das Artes da Madeira, Direção de Serviços de Educação e Multimédia.

 

Que repertório utiliza nos seus projetos em que inclui cavaquinho? Desenvolveu algum repertório original/arranjos para Cavaquinho Português? Pode por favor enumerar aqui? Pode também fornecer partituras ou áudio ou vídeo ou link de internet para estes elementos multimédia?

Elaborei um projeto de elaboração de repertório específico para braguinha. No livro “As Músicas do Meu Braguinha” – 20 peças progressivas para braguinha ou machete, compus 20 peças musicais de dificuldade progressiva para braguinha, acompanhado por guitarra clássica.

 

Envio os links para o livro e página do Facebook.

 

https://www.facebook.com/asmusicasdomeubraguinha/?ref=bookmarks

 

https://xarabanda.pt/livros/

 

http://www.areavirtual.pt/index.php?route=product/product&filter_name=braguinha&product_id=351

 

Que técnicas utiliza no cavaquinho português? Quais das mesmas são as que utiliza com mais frequência? (No caso de ser investigador não tocador, que técnicas conhece e que são tipicamente atribuídas aos diferentes modelos?)

Utilizo o dedilhado e o rasgueado, semelhante à técnica da guitarra clássica.

 

Considera que o Cavaquinho Português é um instrumento levado suficientemente a “sério” nos diferentes meios musicais?

Sim, principalmente pelas pessoas que estão mais informadas sobre este instrumento.

 

Acha viável uma carreira de músico solista especializado e fazendo carreira apenas e só no cavaquinho português (sem necessitar de tocar mais nenhum instrumento)?

Sim, dependendo do projeto e do impacto do mesmo.

 

Quais as dificuldades que teve (ou acha que teria) ao tentar ser um músico solista de cavaquinho?

As mesmas que um músico interprete tem durante uma carreira musical. Encontrar um público interessado, encontrar concertos bem remunerados e a implementação do seu projeto e financiamento para o mesmo.

 

Quais as facilidades e vantagens que considera ter (ou que pensa que teria) como músico solista de cavaquinho?

O facto de o braguinha ser um instrumento português, ter um características físicas e sonoras específicas e únicas, e o instrumento ter uma história que o associa a um instrumento solista.

 

Considera que faz sentido explorar o cavaquinho português como instrumento solista? Porquê?

Sim, porque as características do som e da forma deste instrumento permitem ao tocador explorar o instrumento como instrumento solista.

 

Que acha da utilização da nomenclatura Cavaquinho Português para de forma agregadora denominar e agrupar todos os modelos de cavaquinho português (modelo minhoto e diferentes modelos urbanos do continente e ilhas)?

Pessoalmente, não me atrai, devido à conotação do nome “cavaquinho” a “um pedaço de madeira” (dicionário Priberam). O nome que me agradaria mais para agrupar todos estes modelos seria “Machete” = Viola pequena (dicionário Priberam)

 

Como vê o futuro do cavaquinho português enquanto instrumento solista?

Vejo como um futuro promissor, devido ao trabalho que tem vindo a ser desenvolvido e a motivação das pessoas que estão relacionadas com esta área em dar mais valor a estes instrumentos.

 

Que projetos tem para o futuro no que diz respeito ao cavaquinho Português?

Continuar a criar repertório erudito para o mesmo e dedicar-me à performance e ensino do instrumento.

 

Que assuntos gostaria de ver estudados sobre o cavaquinho português?

Gostaria de ver estudado o potencial do braguinha para o ensino nas aulas de Educação Musical nas escolas públicas e privadas, no lugar da flauta de bisel.

 

Que sugestões tem para dar?

Mudar o termo “Cavaquinho” para “Machete” como nome que agrupa todos os instrumentos de quatro cordas de pequenas dimensões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *