Entrevistas Paulo Bastos - Mestrado

Entrevista – Guilherme Órfão – 02/05/2018

NOME: Guilherme Órfão

MORADA: Funchal

NATURALIDADE: Madeira

 

Que modelo(s) de cavaquinho toca/estuda? que afinações?

Não toco cavaquinho. Toco braguinha, na sua afinação própria.

 

Há quanto tempo toca/estuda o cavaquinho? Como é que tudo começou? (pequena biografia no que diz respeito/orientada ao cavaquinho)

Reforço que não toco cavaquinho. Toco braguinha desde os meus 7 anos, quando comecei a ter aulas com o professor Roberto Moniz no então GCEA. Desde então fui progredindo na aprendizagem e passei também pelas aulas dos professores Roberto Moritz e Vitor Sardinha. Fiz parte de diversos projetos, dos quais destaco: Si que Brade, Orquestra de Ponteado, Metáfora, FadoFuncho e Timple Meets Madeira. Tenho também um projeto a solo, somando a isso algumas participações em outros tantos concertos e projetos.

De qualquer forma, fica aqui uma “biografia” na secção “sobre” da minha página. https://www.facebook.com/guilhermeorfaooficial/

 

Em todas as perguntas seguintes onde é referido o termo cavaquinho vou ler como sendo Braguinha (o instrumento que toco).

 

O que o fascina no cavaquinho português? O que o faz apreciar e escolher o instrumento como objeto de estudo ou para se exprimir artisticamente?

A versatilidade do instrumento em diversas áreas musicais, quer como acompanhamento quer como solista, assim como o seu caráter perfurante em qualquer palco e qualquer agrupamento.

 

Quais as suas referências e influencias musicais mais importantes na abordagem ao cavaquinho? E qual a sua importância?

Outros músicos da região (Roberto Moniz, Roberto Moritz, Mário André, Cândido Drummond de Vasconcelos) e também variados músicos de outros instrumentos como guitarra, ukulele, cavaquinho brasileiro e cabo verdiano, bandolim, etc.

Resultam numa mistura de linguagens e técnicas que enriquecem a linguagem de um músico.

 

Que outros instrumentistas/tocadores solistas de cavaquinho conhece que considera relevantes?

(Entenda-se como solista o instrumentista SOLISTA que faz um concerto do inicio ao fim em que o Cavaquinho é o ponto central/solista ou o instrumentista que tenha editado/gravado um ou mais CDs em que o cavaquinho é o ponto central/solista em todas as músicas ou quase na totalidade delas (quando se refere ponto central/solista pretende-se dizer instrumento que toca a solo sozinho ou que tocando em grupo faz a parte mais relevante e importante da música, ou seja o que tipicamente se chama a melodia/parte principal).

No Cavaquinho Minhoto: Júlio Pereira, Daniel Pereira Cristo.

No Braguinha: Roberto Moritz, Roberto Moniz, Vitor Filipe, Pedro Gonçalves, Paulo Esteireiro, Mário André Rosado

 

Que associações culturais ou outras que conhece ligadas à música onde o cavaquinho seja um interveniente de alguma forma? Quais?

Associação Xarabanda, Associação Flores de Maio, CEPAM, DSEAM

 

Que repertório utiliza nos seus projetos em que inclui o cavaquinho? Desenvolveu algum repertório original/arranjos para Cavaquinho Português? Pode por favor enumerar aqui? Pode também fornecer partituras ou áudio ou vídeo ou link de internet para estes elementos multimédia?

Reportório meu e de outros músicos. Toco também temas de outros compositores não específicos para braguinha (ex: standards jazz).

Para cavaquinho não compus nunca. Para braguinha sim, tenho muito material e tenho todo o gosto em partilhar com outros músicos e pedagogos para que possam desenvolver outras linguagens… a titulo de exemplo posso enumerar algumas peças: “Verdemente”, “P8”, “Vai de Cima”, “Valsa XXI”, “Cavaquinha”, entre outras.

 

Que técnicas utiliza no cavaquinho português? Quais das mesmas são as que utiliza com mais frequência? (No caso de ser investigador não tocador, que técnicas conhece e que são tipicamente atribuídas aos diferentes modelos?)

Utilizo a técnica do dedilhado, assim como ponteado. Uso também pontualmente palheta e outras técnicas de rasgado, quer próprias do instrumento quer importadas do cavaquinho, da viola caipira ou de outros instrumentos.

 

Considera que o Cavaquinho Português é um instrumento levado suficientemente a “sério” nos diferentes meios musicais?

O cavaquinho português não tem sido levado a sério… Ainda há muito caminho a desbravar para que a sociedade olhe com outros olhos para o cavaquinho. Por outro lado, o braguinha já conquistou o seu lugar, sobretudo na Madeira. Cada vez mais procurado por músicos portugueses e estrangeiros, a par do rajão.

 

Acha viável uma carreira de músico solista especializado e fazendo carreira apenas e só no Cavaquinho Português (sem necessitar de tocar mais nenhum instrumento)?

No braguinha, sim, perfeitamente. Acima de tudo, há que ter atitude e vontade de levar um instrumento mais além, qualquer que seja.

 

Quais as dificuldades que teve (ou acha que teria) ao tentar ser um músico solista de cavaquinho?

Demorar algum tempo até conseguir conquistar o público de Portugal continental, por estarem habituados aos “cavaquinhos de rancho” e não terem ainda contacto com projetos inovadores e com reportório atual.

 

Quais as facilidades e vantagens que considera ter (ou que pensa que teria) como músico solista de cavaquinho?

Excelente formação base, desde criança, com bons conhecimentos técnicos e também muitos músicos amigos e conhecidos desde o folk até ao jazz, passando por outras tantas áreas.

 

Considera que faz sentido explorar o Cavaquinho Português como instrumento solista? Porquê?

Porque a limitação está na mão de quem o toca e não no instrumento, faz todo o sentido. Qualquer instrumento é passível de ser instrumento solista.

 

Que acha da utilização da nomenclatura Cavaquinho Português para de forma agregadora denominar e agrupar todos os modelos de cavaquinho português (modelo minhoto e diferentes modelos urbanos do continente e ilhas)?

Designação errada. Há que tratar cada instrumento pelo seu nome.

 

Como vê o futuro do cavaquinho português enquanto instrumento solista?

O cavaquinho ainda precisa de muitos anos com formação às camadas jovens para que se liberte das técnicas e dos dogmas atuais que sobre eles existem. Pela formação das camadas jovens e pela sua sensibilização é possível alterar o pensamento de toda a sociedade.

 

Que projetos tem para o futuro no que diz respeito ao cavaquinho?

Projetos de fusão com músicos de variadas áreas e de outros instrumentos, como Canárias.

 

Que assuntos gostaria de ver estudados sobre o cavaquinho português?

A distinção na sociedade entre cavaquinho e braguinha, assim como o esclarecimento a toda a comunidade sobre a verdadeira origem do ukulele (rajão e braguinha, não cavaquinho).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *